domingo, 23 de fevereiro de 2014

Reflexão (Nildo Hoffman)


É difícil algo me encher os olhos na idade contemporânea. É como se tudo tivesse perdido as cores. Como se os sorrisos fossem sem graça. Como se todos os dias fossem iguais. As músicas já não têm o som que chama os meus ouvidos. As pessoas de diferentes lugares no início são novidade, mas depois de pouco tempo se tornam iguais. O coração bate com seu impacto, mas sem emoção. Já posso prever as coisas não porque sou profeta, mas porque tudo se repete. O mundo está despido de solidariedade. Está possuído pela avareza. O amor tampado pela luxúria. O grito está ficando baixo. Mas uma cena me põe brilho nos olhos. Mais que imediato sinto imensa alegria. O que aconteceu? Simples, duas crianças brincando.

                                                                                    Nildo Hoffman Kovac

Um comentário:

  1. Como já dizia o Eclesiástico: "Não há nada novo debaixo do sol"

    ResponderExcluir